Error

Covid-19: apenas 16% dos brasileiros estão com a imunização concluída

Por *Victor Ribeiro – Repórter da Rádio Nacional – Brasília

Nas últimas semanas, o Brasil conseguiu manter abaixo de 1 o índice de transmissão do coronavírus. Isso indica que o país pode estar no caminho para controlar a pandemia de covid-19.

O levantamento mais recente do Imperial College, de Londres, divulgado no último dia 9, mostra que a taxa média de transmissão do vírus no Brasil é de 0,84. Ou seja, cada 100 pessoas contaminadas passam coronavírus para outras 84.

Para o infectologista Renato Kfouri, isso pode ser resultado de dois fatores combinados. A força da infecção pode estar sendo reduzida por conta do aumento da vacinação entre as pessoas.

De acordo com o Ministério da Saúde, nessa segunda-feira o Brasil superou a marca de 34 milhões de pessoas com a imunização concluída, o que representa 16% da população. E mais de 90 milhões já tomaram a primeira dose da vacina contra covid, que representam 42% dos brasileiros.

O infectologista Julival Ribeiro destaca a importância da imunização e acrescenta que ainda é muito importante manter aqueles cuidados que já praticamos há mais de um ano. Isso vai manter a taxa de transmissão em baixa.

O Observatório Covid-19, da Fiocruz, também destacou a tendência de queda nos indicadores de contaminação e mortalidade por covid, por três semanas consecutivas. Apesar da queda, a transmissão ainda está intensa entre os não vacinados e a taxa de letalidade está em torno de 3% – o que os pesquisadores consideram elevado.

Existe também a preocupação com a circulação de novas formas do coronavírus. No Reino Unido o índice de transmissão está alto, devido à prevalência da variante delta, que já chegou a quase 100 países, entre eles o Brasil. Mas os casos graves e mortes estão sob controle devido ao avanço na vacinação, com 73% dos adultos vacinados com pelo menos uma dose. Por isso, a vacinação continua sendo a melhor forma de proteger a população.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, entre as variantes em circulação no mundo, oito merecem atenção. Quatro são classificadas como variantes de preocupação e as outras como variantes de interesse.

*Com produção de Ariane Póvoa.

Edição: Raquel Mariano / Guilherme Strozi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *