Error

Campanha pede cobrança de mais impostos sobre bebidas açucaradas

Objetivo é reduzir o consumo e estimular hábitos mais saudáveis

 

Refrigerantes, sucos industrializados, energéticos e outras bebidas processadas contêm grandes quantidades de açúcar e estão associadas a doenças como obesidade diabetes. Uma campanha está propondo a cobrança de mais impostos sobre essas bebidas açucaradas, como forma de reduzir o consumo e estimular hábitos mais saudáveis na população.

O excesso de açúcar é um dos responsáveis por cerca de três milhões de brasileiros com obesidade ou sobrepeso. O diabetes atinge a maior parte desses adultos, seguido pelas doenças cardíacas e cerebrovasculares.

Segundo a endocrinologista, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia – Regional São Paulo – Andressa Heimbecher, o consumo alto de açúcar leva à síndrome metabólica.

Segundo o levantamento realizado pela ONG ACT Promoção da Saúde, o Sistema Único de Saúde (SUS) gasta R$ 3 bilhões por ano no tratamento de doenças causadas pela ingestão de bebidas açucaradas.

Para reduzir o consumo, a campanha Tributo Saudável propõe alíquotas mais altas de imposto sobre essas bebidas, a exemplo do que é feito com o cigarro. Na página do projeto, na internet, é possível simular os efeitos da tributação.

Uma alíquota de 25% poderia reduzir em quase 25% o consumo de bebidas adoçadas e aumentaria em 27% a ingestão de água, leite, café, chá e suco natural. Coordenadora dos projetos na ONG ACT Promoção da Saúde, Marília Albiero comenta ainda que tributos de 25% gerariam arrecadação de R$ 5,5 bilhões.

Por ano, o brasileiro adulto toma em média 61 litros de bebidas adoçadas, o que equivale a quase sete quilos de açúcar. Já entre crianças e jovens, que bebem mais, o consumo chega perto de dez quilos. Países como Reino Unido, Índia e México já adotaram tributos sobre bebidas adoçadas.

* Para a Rádio Nacional.

Edição: Rimack Souto/ Renata Batista

Por Sarah Quines* – Repórter da TV Brasil – Brasília

Fonte: Agência Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *